segunda-feira, 17 de Dezembro de 2012

Florence Nightingale

 Florence Nightingale nasceu no dia 12 de Maio de 1890, na cidade italiana de Florença, onde a sua família de origem inglesa e bem situada financeira e socialmente, residia temporariamente;
Ø O seu nome foi inspirado na sua cidade natal – Florença (Florence)
Ø Florence sempre se mostrou uma criança com bastante aptidão para a aprendizagem (diziam mesmo que ela tinha uma habilidade natural para o estudo). (sempre se mostrou preocupada com os pobres, com os doentes….era uma pessoa bastante altruísta)
Ø Inicialmente, a educação dela (dela e da irmã) ficou a cargo de professoras particulares, mas posteriormente esta tarefa foi tomada pelo pai (que tinha sido formado em Cambridge)
Ø Florence teve contacto (sob orientação do pai) com Estudos Clássicos, Euclides, Aristóteles (portanto teve contacto com a filosofia, a história), a Bíblia, assuntos políticos e aprendeu variadas línguas (grego, latim, francês, alemão e italiano)
Ø Mostrava grande paixão e aptidão para a matemática, especialmente estatística (que como vamos ver vai ter grande importância para o desenvolvimento do seu trabalho; foi pioneira na utilização de gráficos, sistematizando assim dados de forma clara para que todos pudessem compreender; ela considerava a estatística essencial para entender qualquer problema social e procurou também introduzir o estudo da estatística na educação superior)
Ø CURIOSIDADE em 1840, Florence implora aos pais para que a deixem estudar matemática, em vez de aprender a fazer as tarefas domésticas…Inicialmente, os pais discordaram, mas mais tarde os pais concordaram e Florence começa a ter aulas com um professor de nome Sylvester (professor bastante conceituado na altura), chegando mesmo a ser considerada a melhor aluna que este alguma vez tivera
Ø A religião era sem dúvida importante na sua vida. (embora os pais fossem da religião Unitária, a sua mãe achou preferível que as suas filhas crescessem como membros da igreja inglesa). Assim, a 7 de Fevereiro de 1837, acredita ter ouvido o chamamento de Deus (enquanto caminhava no jardim em Embley), em que este lhe pedia para continuar o Seu trabalho, embora nesta altura não tenha entendido o que significada aquele apelo.
Ø Sempre se interessou por problemas sociais. Florence Nightingale acompanhava a mãe nas visitas aos aldeões doentes que trabalhavam nas grandes propriedades da família, impressionando-a muitas vezes o facto de os remédios serem tão ineficazes, a falta de recursos para o tratamento e a escassez de hospitais e meios de assistência aos mais pobres.
Ø Cuidava dos amigos e familiares doentes, mas desejava ganhar experiência num hospital, algo que a família rejeitou. (visto que a profissão de enfermagem na altura era conectada a pessoas vulgares, sem formação, dadas a promiscuidade e até mesmo alcoólicas. Os pais consideravam que não era uma profissão para uma menina bem educada!)
Ø 1850 – Inicia a sua formação como enfermeira do Instituto São Vicente de Paula em Alexandria (Egipto). Mais tarde, visita os hospitais Pastor Theodor Flidner (personalidade em que ela se inspira) em Kaiserwerth (Alemanha), onde mais tarde volta para fazer mais uma formação de três meses no Instituto para Diaconisas Protestantes.
Ø Daí, segue para o Hospital St. Germain, perto de Paris, que era dirigido pelas Irmãs Piedade (será importante notar que nesta fase Florence andava a estudar diferentes sistemas hospitalares, aproveitando a altura em que fazia uma viagem com amigos da família pelo Egipto e Europa)
Ø 1853 – Retorna a Londres, onde aceita o cargo, não remunerado, de Superintendente no “Estabelecimento para Senhoras Enfermas” (que seria, um hospital para cuidar somente de mulheres)
Ø Em Março de 1854, inicia-se a guerra da Criméia, onde foi nomeada Superintendente do Estabelecimento de Mulheres Enfermeiras dos Hospitais Gerais Ingleses na Turquia.
Ø Florence teve aqui um papel importante no cuidado aos soldados feridos. Estes viam-na como um anjo da guarda, e aqui foi imortalizada como “Dama de Lâmpada”, visto que durante a noite percorria as enfermarias, atendendo os doentes. (assim, o seu trabalho ao nível de assistência a soldados e de organização de infra-estruturas hospitalares tornou-a conhecida em toda a frente de batalha.)
Ø Os serviços hospitalares foram bastante criticados na altura, em termos de higiene, e Florence viu-se então numa posição em que teria de agir contra tal facto.
Ø Com os seus cálculos estatísticos, Florence concluiu que era mais provável os soldados feridos morrerem de uma doença hospitalar do que propriamente no campo de batalha. (nesta época, abundavam ratos e insectos nos hospitais, não esquecendo também os cuidados de extremamente precários.)
Ø Quando retorna a Londres, (quatro meses depois da assinatura do tratado de paz), conclui que a necessidade de uma reforma das condições sanitárias estendia-se a todos os hospitais (especialmente os militares!) (com a divulgação do caso ganhou a atenção da rainha Vitória e do príncipe Albert, bem como do primeiro ministro Lord Palmerston)
Ø Ambicionava uma investigação formal acerca deste tema, pedido este que foi atendido em 1857 e levou à elaboração da Comissão Real sobre a Saúde nas Forças Armadas.
Ø 1858 – devido às suas contribuições para as Forças Armadas e para a estatística hospitalar, Florence tornou-se a primeira mulher a ser eleita membro da Sociedade de Estatística Real.
Ø 1860 – Funda a Escola de Treino de Enfermeiras Nightingale e a Casa das Enfermeiras, baseadas no Hospital de St. Thomas em Londres, que tiveram início com 10 estudantes.
Ø Princípios em que estas instituições foram baseadas:
- As enfermeiras deveriam ter formação prática em hospitais organizados para este fim;
- As enfermeiras deveriam viver numa casa baseada em princípios morais e de disciplina.
Ø Florence prestou também serviços de assessoria sobre cuidados médicos para as Forças Armadas no Canadá. Foi também consultora do governo americano sobre a saúde militar durante a Guerra Civil Americana.
Ø 1883 – A rainha Vitória condecorou-a com a Cruz Vermelha Real pelo seu trabalho nobre.
Ø Em 1901, ficou completamente cega, mas mesmo assim continuou a exercer as suas actividades. Só mais tarde, é que passou a estar acamada devido ao tifo (doença que contraiu na Criméia e que a impossibilitou então de exercer enquanto enfermeira, mas sempre fazendo campanhas para melhorar os padrões de saúde).
Ø Publicou cerca de 200 livros, relatórios e panfletos. Um deles foi intitulado “Notas sobre Enfermagem” (1860), dirigido especificamente para a utilização no ensino de enfermagem e que foi traduzido para diversas línguas. (outras publicações: “Notas sobre Hospitais”, “Notas sobre enfermagem para as classes trabalhadoras” entre outras.)
Ø Florence Nightingale faleceu a 13 de Agosto de 1910 (90 anos de idade), na Igreja de St. Margaret, perto do parque Embley (onde recebeu o chamamento de Deus)
Ø Florence nunca se casou, embora não tenha sido por falta de oportunidades. Acreditava que Deus tinha claramente sinalizado que ela seria uma mulher solteira.
Ø O monumento Criméia, erguido em 1915, em Waterloo, Londres, foi executado em homenagem à contribuição que Florence fez pela saúde dos soldados.
CONTRIBUTO DE FLORENCE PARA A ENFERMAGEM:
Ø Veio promover as condições de higiene como fundamentais na prevenção e tratamento de doenças (na altura, as suas reformas reduziram a taxa de mortalidade no hospital militar onde estava a prestar cuidados de 42,7 % para 2,2%);
Ø Com as suas escolas conseguiu que a enfermagem ultrapassa-se o seu passado desprestigiado, passando assim para uma carreira séria, de grande responsabilidade e respeitável para mulheres;
Ø Vem também separar um pouco a ideia de que só pessoas com vocação religiosa poderiam prestar cuidados;
ESCOLAS NIGHTINGALE:
Ø As suas escolas tinham como filosofia 4 ideias chave:
- “O dinheiro público deveria manter a formação de enfermeiras e este deveria ser tão importante como qualquer outra forma de ensino;
- Deveria existir uma estreita associação entre hospitais e escolas de formação, sem que estas instituições dependessem financeiramente e administrativamente;
- O ensino de enfermagem deveria ser feito por profissionais, e não por qualquer pessoa não envolvida com cuidados de saúde;
- Deveria ser oferecida às estudantes, durante todo o período de formação, residência com ambiente confortável e agradável, próximo do local onde seria lecionada a formação”
Ø Inicialmente o curso era de 1 ano, passando depois para 2 anos.
Ø As disciplinas eram leccionadas por médicos e mais tarde por enfermeiros com formação;
Ø Florence exigia que as enfermeiras acompanhassem os médicos nas suas visitas aos pacientes “para prevenir erros, directivas mal compreendidas e instruções esquecidas ou ignoradas;
Ø Desde 1872, Florence Nightingale deu especial atenção à organização da escola e, quase anualmente, durante os seguintes trinta anos, escrevia uma carta às enfermeiras e principiantes, dando conselhos e encorajando-as a desempenharem as suas funções da melhor forma; (ela tinha uma relação excelente com as suas estudantes, oferecia-lhes muitas vezes livros e tomava chá com elas)
É também importante dizer que a primeira escola de Florence foi financiada em grande parte pelos seus próprios recursos económicos. Obviamente que foi devido à luta constante de Florence que a enfermagem é tal como a vimos actualmente, mas não se pode deixar de dizer que o seu estatuto socioeconómico e a sua família de prestígio tiveram influência nos seus grandes feitos.


Sem comentários:

Enviar um comentário